PALAVRAS DE SEDA

Escrever é um ato solitário, é colocar-se em palavras. Palavras são como folhas de plátano soltas ao vento... em direção aos novos horizontes, voando irreverentes sem cordas para serem puxadas e sem lugar determinado para pousarem... sempre a favor do vento.
Assim é o ato da escrita, deixar fluir palavras que, voando devagar, ao caírem, adubarão terras distantes.

















































































































segunda-feira, 24 de novembro de 2008


No dia em que cheguei havia serenata. Uma vez por mês, sempre num sábado de lua cheia há serenata na cidade de Goiás.
Só quem percorre as ruas e becos da cidade, ouvindo modinhas tocadas por brilhantes instrumentistas pode avaliar a sensação de nostalgia que paira no ar.
Acompanham a serenata casais de namorados de todas as épocas, crianças e jovens.
Eu, como sempre, canto enquanto fotografo.
São momentos como esses que não têm preço.
Só mesmo em Goiás para se viver tão intensamente, em que a noite acorda sob magia. Sons, sorrisos, murmúrios, que embalam a lua. O tempo passa rápido. A madrugada surge e um gosto de quero mais fica na garganta da gente.
Foram momentos maravilhosos.
Rita Elisa Seda




Um comentário:

Cristiane Arantes disse...

Memória

Cora recebe novo tributo
Adriano Pereira

No ano em que se comemora 120 anos do nascimento de Cora Coralina, a escritora ganha uma homenagem tardia e merecida. A escritora Rita Elisa Seda, de São José dos Campos, e o sociólogo Clóvis Carvalho Britto estão finalizando a primeira fotobiografia de Cora, que será lançada no dia 20 de agosto, pela editora Ideias e Letras.

"É o primeiro registro biográfico na realidade. Houve um romanceado, mas nada documentado como estamos fazendo agora", explica Britto, que estuda a vida da escritora há muitos anos. A opção pela fotobiografia nasceu por conta do tamanho do acervo captado pelos dois profissionais, mais de 1.000 fotografias.

Essas imagens foram conseguidas com familiares, pessoas próximas que trabalharam com Cora, escreveram ou tiveram alguma participação na vida da escritora. Além disso, correspondências, jornais, revistas e publicações que tinham alguma imagem também foram pesquisados. "Mais da metade das fotos são inéditas", garante o sociólogo.

sobre este livro, pode entrar em contato comigo?
Obrigada
Cristiane Arantes