PALAVRAS DE SEDA

Escrever é um ato solitário, é colocar-se em palavras. Palavras são como folhas de plátano soltas ao vento... em direção aos novos horizontes, voando irreverentes sem cordas para serem puxadas e sem lugar determinado para pousarem... sempre a favor do vento.
Assim é o ato da escrita, deixar fluir palavras que, voando devagar, ao caírem, adubarão terras distantes.

















































































































sexta-feira, 19 de março de 2010

NO MUSEU JOSÉ LUIZ PASIN


Estive em Aparecida do Norte e fui ao Museu José Luíz Pasin, pelo encanto do destino, pela benção do céu, lá encontrei o simpaticíssimo Cesar Augusto Maia que além de realizar um trabalho de Perito dos Bens Patrimoniais e Culturais da Arquidiocese de Aparecida, de ser Pesquisador e Responsável pelo Inventário dos Bens Patrimoniais, Históricos e Culturais da Congregação do Santíssimo Redentor, também é Diretor do Museu Municipal de Aparecida. Pessoa de alma generosa, tem alegria no olhar e, além de tudo... conhece os poemas de Cora Coralina. Ele simplesmente é uma dessas pessoas que a gente bate os olhos e pensa: ‘ah!... eis aqui uma pessoa de fibra!’
Um grande abraço amigo para você César, tudo de bom.


Rita Elisa Seda

Um comentário:

Anônimo disse...

César Maia é uma pessoa de muito talento seus trabalhos são maravilhosos e iluminada!