PALAVRAS DE SEDA

Escrever é um ato solitário, é colocar-se em palavras. Palavras são como folhas de plátano soltas ao vento... em direção aos novos horizontes, voando irreverentes sem cordas para serem puxadas e sem lugar determinado para pousarem... sempre a favor do vento.
Assim é o ato da escrita, deixar fluir palavras que, voando devagar, ao caírem, adubarão terras distantes.

















































































































domingo, 11 de abril de 2010

A CRIANÇA E DEUS



Uma criança pronta para nascer perguntou a Deus:
- Dizem-me que estarei sendo enviado à Terra amanhã… Como eu vou viver lá, sendo assim pequeno e indefeso?
E Deus disse:
- Entre muitos anjos, eu escolhi um especial para você. Estará lhe esperando e tomará conta de você.
Criança:
- Mas diga-me: aqui no Céu eu não faço nada a não ser cantar e sorrir, o que é suficiente para que eu seja feliz. Serei feliz lá?
Deus:
- Seu anjo cantará e sorrirá para você… A cada dia, a cada instante, você sentirá o amor do seu anjo e será feliz.
Criança:
- Como poderei entender quando falarem comigo, se eu não conheço a língua que as pessoas falam?
Deus:
- Com muita paciência e carinho, seu anjo lhe ensinará a falar.
Criança:
- E o que farei quando eu quiser Te falar?
Deus:
- Seu anjo juntará suas mãos e lhe ensinará a rezar.
Criança:
- Eu ouvi que na Terra há homens maus. Quem me protegerá?
Deus:
- Seu anjo lhe defenderá mesmo que signifique arriscar sua própria vida.
Criança:
- Mas eu serei sempre triste porque eu não Te verei mais.
Deus:
- Seu anjo sempre lhe falará sobre Mim, lhe ensinará a maneira de vir a Mim, e Eu estarei sempre dentro de você.
Nesse momento havia muita paz no Céu, mas as vozes da Terra já podiam ser ouvidas. A criança, apressada, pediu suavemente:
- Oh Deus, se eu estiver a ponto de ir agora, diga-me por favor, o nome do meu anjo.
E Deus respondeu :
- Você chamará seu anjo de … MÃE!

Rita Elisa Seda



(Este meu texto foi publicado pela primeira vez no jornal Visão Leste (hoje Visão Vale, em 1998 – até hoje escrevo para esse jornal), é parte do meu livro de coletâneas crônicas: TROFÈU (2001); também está integrado no livro Mensagem para as Mães de Antonio Marcos Pires. Essa mensagem corre a Internet, às vezes, sem meus devidos créditos, mas os que a conhecem e também me conhecem sempre esclarecem a minha autoria).
Se quiser ouvir a interpretação da mensagem pela mais linda voz do Brasil, o radialista Roberto Canazio, da Rádio Globo, basta acessar o link:
http://recantodasletras.uol.com.br/audio.php?cod=17246

4 comentários:

Fernando Antonio Pereira disse...

Olá!
Saudações Literárias...
Parabéns! Muito bom o espaço.
Sempre que puder voltarei.
Abraços de Luz.
Visite o ILUMINANDO A VIDA.

Nidia Telles disse...

Oi Rita. Vi seu comentário no meu blog e estou ao seu dispor para ajudá-la nas expressões de Santa Rita que souber. Gosto muito desse tipo de estudo. Abraços.

Maria Inês Teixeira de Queiroz Aguiar Marçalo disse...

Conhecia o conto A Criança e Deus e não fazia ideia nenhuma de quem era o autor. Os meus mais sinceros Parabéns!É lindíssimo!
Beijinhos e obrigada por visitar o meu blog de poesia.
Sempre Maria Inês.
P.S. Maria de Aguiar Marçalo sou eu;
Tenho um blog só com Poesia de Fernando Pessoa e outro de História e Arqueologia de um amigo meu; os dois muito interessantes, por sinal, devido aos conteúdos.
Mais um beijinho, volte sempre! M.I.

Silvinh@ disse...

Olá,Rita Elisa!!! Olha eu aqui outra vez...rsrsrsrsrsrsrs
Puxa acho esta crônica maravilhosa!!!
Sabe que até já fiz uma vez, com meus alunos dramatização desta crônica, no dia das mães (2008), e não sabia de quem era???
Peguei na internet.Me lembro,que era de autoria desconhecida...
Parabéns,mais uma vez!!!
Que talento,hein amiga!!!!!
Beijos!!!