PALAVRAS DE SEDA

Escrever é um ato solitário, é colocar-se em palavras. Palavras são como folhas de plátano soltas ao vento... em direção aos novos horizontes, voando irreverentes sem cordas para serem puxadas e sem lugar determinado para pousarem... sempre a favor do vento.
Assim é o ato da escrita, deixar fluir palavras que, voando devagar, ao caírem, adubarão terras distantes.

















































































































terça-feira, 4 de janeiro de 2011

POETA AMAZONENSE

O poeta e advogado José Dantas Cyrino Jr, amazonense de 56 anos, professor de Filosofia da Educação na Universidade Federal do Amazonas, me enviou, e ao Clóvis, esse depoimento: “Admirador de Cora Coralina, ainda nas primeiras páginas de seu livro Raízes de Aninha, explodiu em mim esse poema que lhes mando abaixo”.

Neste ano de 2011 seremos agraciados com o primeiro livro de poemas de Cyrino Jr, publicado pela Editora Valer, de Manaus, eis aqui uma mostra desse escritor que, como ele mesmo diz: “poeta por necessidade vital”,  dois poemas seus que eclodiram dia 13 de novembro de 2010 às 10h10, em Manaus.

Doces versos da vida

José Dantas Cyrino Jr

Na cozinha da casa da ponte
nos doces dos tachos de cobre
nos jardins das jabuticabeiras
nas beiras do rio vermelho
com as mãos de mulher roceira
de grosseiras falanges curtas
mas fecundas e cavouqueiras
tirou palavras das pedras
e fez com elas escoras
e fez-se, de todas meninas,
poetisa de muitas letras
aprendidas nas gretas da vida
poetisa... apesar da escola.


Foto: Cora Coralina escrevendo na sala da Casa Velha da Ponte.
Gentilmente cedida por David B.


Tinha uma Cora no meu Caminho
(Aos poetas Carlos Drummond de Andrade e Cora Coralina)

José Dantas Cyrino Jr


Lendo Drummond de Andrade,
na intimidade, o Carlinho,
encontrei uma estranha pedra
no meio do meu caminho.

Resgatei da cansada retina
um poema de Cora Coralina
e fiz o que ela ensinou:
ajuntei todas as pedras,
levantei uma escada de escora,
fiz um leito, uma estrada,
cobri a minha caminhada
com um tapete floreado
pra aliviar minha dor.

Aquelas pedras que Cora
do meu caminho tirou
são hoje corais de palavras,
lavras de madrigal de amor.



Cyrino Jr acrescentou: "Espero que recebam estes poemas como uma forma de homenageá-los também por essa maravilhosa obra, que apesar de minha leitura ainda estar pelo meio, se anuncia uma das mais belas leituras sobre poetas que já fiz... Por favor, façam o melhor proveito destes dois modestos poemas que lhes mando, não por mim, mas por Cora, por Aninha, essa mulher que tem versos nas rugas...".

Agradeço a atenção desse mestre da poesia, que venha logo esse livro seu para que minha alma se delicie com sua lírica.
Beijos, felicidades e a paz!

Rita Elisa Seda
Cronista, poeta, biógrafa, fotógrafa e jornalista.

7 comentários:

Silvinh@ disse...

Parabenizo o escritor e Advogado, José Dantas Cyrino Jr. Gostei muito de suas poesias.
Sabe Rita Elisa, ontem à noite com a chuva a bater na janela senti uma vontade enorme de pegar o tão maravilho livro: Cora Coralina Raízes de Aninha, para reler alguns capítulos...
Ahhhhhhhhhhhh, como foi gostoso!!! Você e o Clóvis Rita Elisa, conseguiram com muita sabedoria, sensibilidade, clareza; fidelidade, explicitar, cada passo da vida de Cora Coralina, que é impossível, não nos tranportarmos, para a vida , para a sua cozinha, para a casa da ponte.....enfim para cada canto por onde Cora Coralina passou e com suas poesias encantou!
Li e recomedo!!! Impossível ler e nunca mais voltar a ele, para minusciosamente descobrir o encanto da vida simples, humilde e de fé, de Cora Coralina!!!
Obrigada por este presente!
Que Deus continue e te iluminar, Rita Elisa; e que muiiiiiiiiitos e muiiiiiiiiiitos livros como este, cheguem em nossas mãos!!!

Beijos, forte e carinhoso abraço!!!

Sua Sempre Amiga,

Silvinha

Inajá Martins de Almeida disse...

Rita minha tão cara amiga
O que muito aprecio em você é esse desapego em não reter tua correspondência e fazê-la pública. Com essa atitude, ganhamos nós que atentos visitamos esta casa com assiduidade.
Cyrino poeta que maravilhosas palavras.
Creio que com a mesma sensibilidade impoluta com que maneja os versos conduz a lei.
Quem dera nossa nação gerasse tantas Coras, tantos Cyrinos, tantas Ritas, tantos poetas que pudessem transformar as pedras do caminho em tapetes floreados, os quais viessem aliviar tanta dor.
Rita obrigada por esse grato presente.

Rita Elisa Seda disse...

Silvinha querida amiga, a vida de Cora Coralina é exemplo de fé, humildade, determinação, coragem e caridade. Você apresentou Cora Coralina aos seus alunos através do livro Raízes de Aninha, esse é o verdadeiro sentido de compartilhar o bem, afinal Cora Coralina está viva nos poemas dessa maravilhosa poeta vilaboense. Beijos, felicidades e a paz!

Rita Elisa Seda disse...

Inajá querida, você está icluída no rol das literatas brasileiras, afinal amamos a literatura com toda dignidade de sermos leitoras e escritoras. Você, minha amiga, é tudo isso e mais um pouco. Beijos, felicidades e a paz!

Inajá Martins de Almeida disse...

Rita querida poetisa das minhas horas
Estou sempre a falar das mulheres da minha vida: minha mãe (Dalila), minha avó (Ana, também Aninha) - mulheres valentes, guerreiras que conseguiam extrair fios finíssimos das pedras, para tecer retalhos em colchas intermináveis.
Verdadeiras Coras Coralinas, anônimas poetas.
Entre elas cresci, forjei meu viver, meu sentir a vida e mulher me tornei.
Posso dizer que muitas pedras pelo caminho tenho encontrado, muitas pedras tenho transformado em fios, pois a lição pude aprender.
Agora no meu caminho encontrei Rita Elisa Seda que tão bem me fala a minha “retina”, sobre aquela que também, desde longa data, aprendi a amar – Cora Coralina de todos nós.
Obrigada pelas palavras carinhosas e cuidadosas que sabe declinar tão bem. Palavras de seda que me alimentam alma diariamente.

Rita Elisa Seda disse...

Querida Inajá, você foi forjada por valentes mulheres, por isso tem a sinestesia das valentes mulheres que sabem "olhar uma pedra e ver poesia". Eu é que agradeço a Deus por tê-la conhecido, amiga. Que esse ano de 2011 possamos nos conhecer pessoalmente, escrever os "causos do dia a dia" a quatro mãos, interligar pensamentos e rir da vida. Beijos, felicidades e a paz!

Inajá Martins de Almeida disse...

Rita minha tão querida amiga.
Deus é muito bom e generoso e a cada qual tem seu propósito. Não há dúvidas que os tem com relação a nós, por esse motivo nossa amizade, como aquela semente que caiu em terreno fértil, frutifica dia após dia.
Delicioso esse nosso encontro. O escrever a quatro mãos não impossível não, uma vez que nossas trocas de mensagens através deste espaço, proporciona criar colchas quando alinhavamos nossas palavras, tal qual Rilke a Kappus. Já te disse que posso até me sentir como este último.
Sim este ano que corre em dias irá nos proporcionar muitas surpresas e muitas palavras de seda entre retalhos de leituras.
Um abraço bem apertado