PALAVRAS DE SEDA

Escrever é um ato solitário, é colocar-se em palavras. Palavras são como folhas de plátano soltas ao vento... em direção aos novos horizontes, voando irreverentes sem cordas para serem puxadas e sem lugar determinado para pousarem... sempre a favor do vento.
Assim é o ato da escrita, deixar fluir palavras que, voando devagar, ao caírem, adubarão terras distantes.

















































































































domingo, 9 de outubro de 2011

FEIRA LITERÁRIA EM SAPUCAÍ MIRIM - MG


Ontem, dia 08 de outubro de 2011, participei da Feira Literária na E. E. Prof. Figueiredo Brandão, em  Sapucaí Mirim, Minas Gerais.










As professoras Eliane Venâncio e Letícia foram grandes idealizadoras desse projeto. Alguns alunos chegaram a ler mais de 40 títulos em alguns meses. Foram premiados e me confidenciaram que foi com o incentivo dos professores que se tornaram leitores assíduos à Biblioteca que por enquanto é itinerante, de classe em classe, mas depois da reforma do prédio terá seu espaço próprio.





A diretora Maria José é uma simpatia. Me  acompanhou pelas salas que foram devidamente organizadas com o tema da feira, contemplei em cada espaço  a exposição dos trabalhos dos alunos.




Uma maravilha a “Sala Monteiro Lobato”, foi como passear pelas páginas de Reinações de Narizinho.




Em uma caixa cravejada de fuxicos estavam guardados algumas informações preciosas a respeito das inovações que Monteiro Lobato fez na publicação de seus livros infantis. Retalhos de informações que servem para toda vida!





Emília, boneca sapeca, ficou sentada no chão. Não agüentei e fui lá mostrar para ela uma das inovações da feira: o Poema Enlatado! Isso mesmo, dentro das latinhas havia poemas dos alunos da escola. Uma ótima idéia!







Esta Emília aqui foi confeccionada pela aluna Fabiana. Ficou linda!... eu amei e não me contive em segurá-la. Depois fiquei sabendo que a Fabiana tem apenas 2% da visão e isso não a impede de ler e ainda mais... costurar! Ultrapassar os limites humanos é uma tarefa para poucos, Fabiana faz parte do naipe seleto dos que desenvolveram sinestesia além dos cinco sentidos.





Os  livros de receita: Dona Benta, são fascinantes, as receitas foram escritas em português e inglês. Têm cada receita caseira que fiquei com água na boca só de pensar...


O poeta Braga Barros esteve presente e abrilhantou o evento com seu discurso a respeito da importância da leitura. Braga declamou e distribuiu autógrafos. Uma alegria a mais encontrar o distinto confrade da Academia Joseense de Letras






Houve apresentação de conto, sarau poético, coreografia, encenação do livro Vendedor de Sonhos  (Augusto Cury), premiação aos alunos que mais leram durante este ano e o toque mágico da Banda Musical da Escola Estadual Prof. Figueiredo Brandão.






Eu amei tudo que vi! Fiz um pequeno discurso a respeito dessa linda iniciativa da escola; recebi muitos abraços e beijos; autografei alguns livros; conversei com entusiasmo; me alegrei; aprendi com todos que a literatura é o amálgama que une os que desejam novos horizontes. 











A noite de lua “quase cheia” anunciava que Minas Gerais sempre acalenta meu coração, na magia da noite primaveril descobri um poeta, desses que passam pela vida para mostrar que existe poesia em tudo! 
Fiquei encantada com o poeta José Rodrigues Pimentel. O seu livro “O Sonho de um Caminhoneiro” me trouxe a lembrança da saga dos caminhoneiros que desbravaram o Sul de Minas levando o progresso a todas cidades do Vale do Sapucaí. 
Sr.  Pimentel tem 83 anos de idade e me confidenciou que começou a ser poeta aos 70 anos, foi quando sentiu necessidade de colocar em poemas os acontecimentos do seu dia a dia. O que o fez tomar essa iniciativa, que rompeu nele o desejo do registro poético foi ver uma linda árvore ser derrubada e dela cair uma Abelha Rainha. Não teve dúvida, pegou a Abelha e a levou para seu quintal e ali ela fez morada... debaixo de um pé de cidra. O poema tem a sutileza em dar voz à abelha resgata!
Li o poema Dois corações que se amam dedicado à esposa Sra. Maria José Pimentel, eles me explicaram cada estrofe do poema. Ele me disse que tem muita predileção pelo poema  Fé e Esperança pois escutou de um cidadão que, para se defender teve de matar, a seguinte citação: “Quando eu morrer, pelo menos a sombra de Deus eu quero ver”.



Os alunos, sempre sorridentes, alegravam a Feira Literária. Em cada rosto  ficou estampado a magia da leitura.











Rita Elisa Seda
Cronista, poeta, biógrafa, fotógrafa e pesquisadora.


7 comentários:

Inajá Martins de Almeida disse...

Rita querida

Que passeio encantador. Sim. São "retalhos de informações que servem para toda vida!"
São os retalhos que valem à pena.
Sinto saudade imensa dessa tua ausência. Nossa conversa ao pé do fogão à lenha, nossa pão de queijo, nosso café com leite quentinho.
Tenho necessidade desse contato. Passear entre leitores. Você me proporcionou tudo isto.
Nesta tarde chuvosa e solitária de São Carlos, pude recolher alguns retalhos que vão enfeitar a colcha que é tecida em todos os meus dias.
Imensa saudade de ti. Teus olhos brilham de felicidade. Maravilhosa lembrança.

Rita Elisa Seda disse...

Inajá querida amiga, sinto saudades, também. Se aconchegue aqui nesse blog porque a casa é dos amigos, dos que gostam de uma boa prosa, dos que procuram soluções, dos que amam acima de tudo, dos que sabem ser amigos fiéis, dos que lutam por uma causa justa e dos que acendem luz nos corações. Li seu texto no http://momentodeler.blogspot.com/ e me fiquei emocionada.
Beijos, felicidades e a paz!

Inajá Martins de Almeida disse...

Querida amiga.

Realmente esta casa é aconchegante e repleta de amor, de amizade, de carinho de dedicação.
Talvez aquele texto seja acrescido com alguns pontos mais. Aqueles que você tão bem colocou. Estou pensando. Estou vivendo muito aquelas palavras, colocando-as bem fundo do meu coração, porque realmente um amigo nós só o podemos conhecer quando as dificuldades vem.

Rita Elisa Seda disse...

Verdade, Inajá. Os amigos são os que continuam conosco em qualquer tempo, seja bom ou ruim. Estou com você, minha amiga. Beijos, felicidades e a paz!

Silvinh@ disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Silvinh@ disse...

Rita Elisa, minha amiga-irmã!!! Que lindo TUDO isso!!!
Fiquei emocionada, ao ver este seu encontro com os alunos desta escola!!! Revivi, momentos tão ESPECIAIS, QUANTO OS MOMENTOS QUE VIVEMOS AQUI EM ARARAQUARA, Rita Elisa!!! Bom demais!!!
É lindo ver tantas crianças, JOVENS, envolvidas por seus livros, suas fábulas, suas poesias!!! Eita coisa boa, Meu Deus!!! Mais uma vez PARABÉNS MINHA AMIGA!!! NADA COMO UM TARDE DESTA PARA REVIGORAR AS FORÇAS!!! VERDADEIRO OÁSIS, COM CERTEZA!!! VIBRO COM VOCÊ POR CADA ENCONTRO SEU COM SEUS LEITORES, COM SEUS LIVROS, COM A LITERATURA. VOCÊ MERECE RECEBER EM TROCA TODO AMOR E CARINHO DAQUELES QUE TE APRECIAM, PELO PRESENTE QUE NOS DÁ... SEUS LIVROS!!! VITÓRIA E SUCESSO SEMPRE....SEMPRE, minha amiga!!!
A CADA DIA QUE PASSA, MAS TENHO CERTEZA QUE SOU SUA FÃ......KKKKkkk

BEIJOS, FORTE E CARINHOSO ABRAÇO!!!

SUA SEMPRE AMIGA-IRMÃ....

SILVINHA

Rita Elisa Seda disse...

Silvinha, querida amiga. Em cada escola que vou fico mais admirada em ver que existe uma ligação intelectual entre elas mesmo que não se conheçam. Na verdade todas as idéias convergem para o mesmo lugar "O amor à Leitura", como vários rios que correm para o mar. Um oceano literário.
Felicidades e a paz!