PALAVRAS DE SEDA

Escrever é um ato solitário, é colocar-se em palavras. Palavras são como folhas de plátano soltas ao vento... em direção aos novos horizontes, voando irreverentes sem cordas para serem puxadas e sem lugar determinado para pousarem... sempre a favor do vento.
Assim é o ato da escrita, deixar fluir palavras que, voando devagar, ao caírem, adubarão terras distantes.

















































































































quinta-feira, 9 de junho de 2011

Todas as cartas de amor são ridículas


Eis um programa especialmente elaborado para os que amam uma carta de amor!
Participe você também!
Felicidades e a paz!

Rita Elisa Seda
Cronista, poeta, biógrafa, fotógrafa e pequisadora.

2 comentários:

Inajá Martins de Almeida disse...

Muito interessante.

Hoje mesmo postei em meu blog, um trecho de uma carta enviada a uma namorada por Einstein, quando em resposta "a sua adorável cartinha" se diz "imensamente feliz".

É isso que uma carta de amor faz conosco - nos deixa imensamente feliz num momento, mas em outro nos deixa extremamente ridículos. http://retalhosdeleituras.blogspot.com/

Penso que a apresentação trará muitas surpresas.

Ótima indicação. Parabéns

Rita Elisa Seda disse...

Hehehehe!... isso mesmo, querida Inajá, em certas circunstâncias as cartas de amor são ridículas... docemente ridículas!
Beijos, felicidades e a paz!