PALAVRAS DE SEDA

Escrever é um ato solitário, é colocar-se em palavras. Palavras são como folhas de plátano soltas ao vento... em direção aos novos horizontes, voando irreverentes sem cordas para serem puxadas e sem lugar determinado para pousarem... sempre a favor do vento.
Assim é o ato da escrita, deixar fluir palavras que, voando devagar, ao caírem, adubarão terras distantes.

















































































































sexta-feira, 22 de outubro de 2010

FEIRA DO JOVEM EMPREENDEDOR


A Feira do Jovem Empreendedor Joseense, evento anual realizado pela Prefeitura de São José dos Campos e a FUNDHAS – Fundação Hélio Augusto de Souza, tem como objetivo principal incentivar a cultura empreendedora junto ao público jovem, sedimentando esse traço cultural de São José dos Campos, por meio da apresentação e divulgação dos trabalhos desenvolvidos pelos estudantes, com foco no empreendedorismo possibilitando espaços de informação, interação e oportunidades de negócios.



Neste ano amplia-se a visão de oportunidades e um objetivo integrado ao cenário atual agrega-se ao evento: estimular em cada indivíduo que acredita na possibilidade de ser empreendedor, a inspiração para encontrar as devidas saídas e soluções para este grande desafio; contribuindo assim, para a transformação da realidade por meio do ato de empreender, oferecendo valores positivos à coletividade.



Exibição em telas interativas dos trabalhos selecionados, como parte integrante da Expo “São José, além dos Campos”. Nessa tela interativa há uma crônica minha escrita exclusivamente para os participantes da feira, é só clicar em cima do meu nome. Nossa! que tecnologia... São José é mesmo um laboratório de idéias, o futuro é agora?!



Bem, pelo sim, pelo não, para ter um pouco de domínio do futuro nessa feira há uma Cápsula do Tempo onde está sendo armazenada uma Coletânea de Composições Escritas e Visuais composta por crônicas, poesias, pinturas e desenhos manuais e digitais devidamente selecionados para serem lidas daqui  50 anos. Minha crônica está lá, só que não vou contar o que escrevi, só daqui cinco décadas, eu não estarei aqui para saber se o que escrevi vai ser saudosismo ou ainda fazendo parte da cultura joseense, mas contribui com o registro de uma época.



 É claro que a EMEF Geraldo de Almeida participa da feira, não é para me gabar, podem até dizer, só porque nessa escola fica a Sala de Leitura Rita Elisa Seda é que ela está escrevendo isso, mas fato é fato... há meses as escolas estão desenvolvendo projetos junto com os alunos para serem apresentados na feira. Estive com os alunos projetistas da Escocla Geraldo de Almeida e vi o quanto têm idéias inovadoras, para  feira só poderia ir um projeto, mas não teve jeito... foram os três projetos escolhidos para serem apresentados. Vou colocar aqui os três, vejam como são ótimos!




Uma mamadeira com três repartições onde podem ser colocados, diferentes líquidos para a criança tomar. Que tal levar na mamadeira, o chá, a água e o leite para serem dados ao neném? Tudo isso hermeticamente fechados. Uma ótima idéia, pena que não havia isso na época que meu neto mamava, mas posso encomendar uma para a Yayá.



Essa idéia é mesmo genial, um carrinho com trocador em cima. A mãe não precisa se agachar, tirar a criança do carrinho e levar para outro lugar para trocar a fralda do neném, troca-se no próprio carrinho. Uma boa, né, Sônia Gabriel? A Babi é quem o diga.



Essa é muito boa para prédios residenciais e comerciais, um corrimão onde há um gancho que leva a sacola. Isso mesmo, levar as compras feitas para o apartamento vai ser brincadeira de criança, basta pendurar no corrimão.















Vocês pensam que terminou? Pois tem mais.
Na cápsula espacial da feira há uma sala onde há exposição da cultura joseense, com maquetes, artesanato, figurino, tecnologia e literatura. Junto com livros de escritores famosos de nossa cidade há os meus, fico agradecida. Na sessão de fotografias encontrei o Fábio Cassiano, poeta maior, homem das palavras, me disse que ama a vida, sua paixão é escrever e compor música. O livro Amores em Alguém, de sua autoria, é uma benção em forma de poesia. Bom demais, trouxe um para ler em casa! Me escreveu uma linda dedicatória: "A alegria de viver é sentir em cada poesia a essência da vida!"


Rita Elisa Seda
Cronista, poeta, biógrafa, fotógrafa e jornalista.

8 comentários:

Silvinh@ disse...

Oi, Rita Elisa!
Que semana agitada, hein!
Eventos e mais eventos!!!
Quanto fôlego...Fazer o que gosta, é bom demais, né!rsrsrsr
Quantas novidades!!!
E viva a tecnologia!!!!!!!!!!!
Quanta riqueza e facilidade as novas tecnologias nos trazem!
Parabéns por seu trabalho ter sido escolhido, selecionado como parte integrante da Expo “São José, além dos Campos”.
Nossa!!!!!!!!!!!Com direito a tela interativa, e tudo??? Que chic!!! Não é pra qualquer um, hein...rsrsr
Gostaria de ler esta crônica que você escreveu exclusivamente para os participantes da feira, Rita Elisa! Quando puder envia-me...
Ah...achei superinteressante esta Capsula do Tempo onde está sendo armazenada uma Coletânea de Composições Escritas e Visuais composta por crônicas, poesias, pinturas e desenhos manuais e digitais devidamente selecionados para serem lidas daqui 50 anos.
E VOCÊ, minha amiga, marcando presença mais uma vez.
Me sinto orgulhosa em ser sua amiga, Rita Elisa!!!
É minha Amiga Rita Elisa fazendo parte da cultura joseense, e mais uma vez, contribuindo com o registro de uma época.

Fico Feliz por VOCÊ e com VOCÊ, Rita Elisa!!!

Beijos, forte e carinhoso abraço...

Silvinha

Inajá Martins de Almeida disse...

Olá Rita
Venho acompanhando constantemente seu blog e sua bela cidade. Pude conhecê-la, de passagem, há muitos anos atrás e dela jamais a lembrança me apartou. Belíssima cidade. Linda e criativa realmente a mensagem - São José além dos Campos. Interessante a cápsula, somente o tempo é longo demais,pois a curiosidade pela sua crônica, aguçou meus sentidos - creio que não só os meus. Nesta semana, junto às alunas de um projeto que participamos, incentivei-as a fazermos uma projeção de um ano, com relação as nossas perspectivas de vida, pessoal, profissional, familiar, o que as encantou. Na próxima quarta-feira iremos colocar nossas palavras num envelope, para serem abertos no próximo ano. Nossa expectativa de permanência com cada grupo é de dois anos - está montado sobre o trabalho e escola (é um estágio). Fiquei imensamente feliz com a receptividade das jovens, pois como é gratificante quando podemos influenciar alguém de forma positiva - e os jovens precisam muito disso. Tenho percebido muita carência. Se quiser verificar sinta-se a vontade http://encontrosdepalavras.blogspot.com/. Estamos começando o trabalho, mas sei que irá crescer e muito. Parabéns pela belíssima participação. Como Silvinha, fico feliz e orgulhosa por estarmos participando de nossos "alinhavos poéticos dos melhores momentos de nossas vidas". Lembra-se dessas palavras? São suas, inclusive já me apossei delas e tenho disseminado por onde passo. São maravilhosas. Um abraço carinhoso e até mais / Inajá

Rita Elisa Seda disse...

Querida Inajá, nesse percurso de pesquisadora para elaboração de obras biográficas fiquei muito impressionada com a escassez de documentos pontuais. Por isso esses projetos de valorização à memória me deixam felizes, pois sei que esse processo precisa ser incutido na geração atual.
O seu projeto de escrever cartas para serem abertas daqui a um ou dois anos é uma quebra de paradigmas dentro da cognição sistemática do ser humano, nosso cotidiano é receber cartas logo que forem postadas, e ainda mais... com o advento da Internet estamos nos programando para respostas automáticas. Sem o 'saber esperar', controlando as variáveis, exigindo retorno. Seu projeto vem tirar essa 'neura', faz com que as pessoas decantem a idéia do imediatismo. Esperam um ano ou até mesmo dois para ler as cartas. Um bom tempo para esperar, melhor ainda é estar vivo para ler... (já não será o meu caso em relação ao meu texto que está na cápsula do tempo em SJCampos), fará uma avaliação da evolução que houve em um ou dois anos.
Quem sabe você espalha isso para nós, vamos fazer uma troca de correspondência que só poderá ser aberta daqui um ano, eu você e mais algumas pessoas, nosso rol de amigos virtuais, desconhecidos, mas que têm o mesmo amor à literatura. Que acha?
Beijos, felicidades e a paz!

Rita Elisa Seda disse...

Querida Inajá, nesse percurso de pesquisadora para elaboração de obras biográficas fiquei muito impressionada com a escassez de documentos pontuais. Por isso esses projetos de valorização à memória me deixam felizes, pois sei que esse processo precisa ser incutido na geração atual.
O seu projeto de escrever cartas para serem abertas daqui a um ou dois anos é uma quebra de paradigmas dentro da cognição sistemática do ser humano, nosso cotidiano é receber cartas logo que forem postadas, e ainda mais... com o advento da Internet estamos nos programando para respostas automáticas. Sem o 'saber esperar', controlando as variáveis, exigindo retorno. Seu projeto vem tirar essa 'neura', faz com que as pessoas decantem a idéia do imediatismo. Esperam um ano ou até mesmo dois para ler as cartas. Um bom tempo para esperar, melhor ainda é estar vivo para ler... (já não será o meu caso em relação ao meu texto que está na cápsula do tempo em SJCampos), fará uma avaliação da evolução que houve em um ou dois anos.
Quem sabe você espalha isso para nós, vamos fazer uma troca de correspondência que só poderá ser aberta daqui um ano, eu você e mais algumas pessoas, nosso rol de amigos virtuais, desconhecidos, mas que têm o mesmo amor à literatura. Que acha?
Beijos, felicidades e a paz!

Inajá Martins de Almeida disse...

Rita minha querida e grata amiga
Fico feliz em saber que um projeto que não é meu, está ganhando forma e corpo. Pessoalmente eu já tenho uma agenda anual, em que coloco pontos sobre o que vou desenvolver durante o ano e vez ou outra pesquiso para saber meu andamento. Vi, recentemente, uma matéria pela TV, em que alunos de uma escola fizeram isso em 2000 e agora retornaram e abriram as correspondências. Fiz o comentários com nossas alunas e elas compraram de pronto a idéia. Havíamos tirado fotos uma semana antes, eu formatara um blog e elas ficaram encantadas. Os jovens se surpreendem com essas manifestações que a eles dedicamos e isso me faz muito feliz, ao ponto de já as ter como "minhas meninas". As fotos inclusive já fora motivo para questionamento de como - "nós estaremos daqui há um ano". Agora você com todo seu carinho me incentiva. Sim vamos disseminar sonhos realizáveis, para um mundo melhor. Com certeza é possível.
Beijos e até mais. Grata sempre pelas palavras carinhosas.

Chris Amag disse...

Olá!

Gostei muito de como colocou aqui esse registro da Feira...

Hoje à tarde voltei lá para olhar tudo com mais calma.

O meu poema também está na cápsula do tempo, assim como os trabalhos de dois alunos da escola onde trabalho...

Gostei muito de ter participado e fazer parte dessa história.

Abraços!
Maria Cristina Gama

Lu Saharov disse...

Olá, minha amiga querida! Que bom! Através de seu blog, pude visitar e me encantar com a feira em SJosé! Obrigada por essa oportunidade, e, uma linda, linda noite amanhã para todos vocês, os mais recentes imortais.
PS. Espero assistir à posse na Academia de Letras, também por suas postagens...
Beijos! Sucesso! Felicidades! Paz e bem!Ludmila

Rita Elisa Seda disse...

Lu, querida amiga, que saudade... certamente você estará em meu coração amanhã à noite durante a posse na Academia. Postarei as fotografias aqui no blog, aí você poderá matar a saudade das amigas. Beijos, felicidades e a paz!