PALAVRAS DE SEDA

Escrever passou a ser necessidade diária, como a respiração mantém o corpo vivo, o ato de escrever mantém minha alma solta para trafegar pelo mundo dos sonhos.
Ao me deixar levar pelas palavras visualizei novo horizonte e criei asas. Voei.
Em dezoito anos escrevi dezoito livros em vários estilos: conto, crônica, poesia, romance e biografias.
Alguns de meus livros biográficos foram livremente inspirados para o cinema e TV. Ganharam prêmios.
O importante é continuar escrevendo, registrando histórias e estórias para que a memória não se perca no mundo digital.
De tanto escrever biografias (sete) resolvi deixar o registrado meu ensaio biográfico cujo viés é meu Anjo da Guarda. Pode parecer um pouco estranho, porém é bem real. Por isso, acesse também o meu blog Os Anjos não envelhecem, eu disponibilizei meu livro na íntegra, onde constam fotografias e documentos. O livro físico está esgotado.
Viaje através das palavras. Bem-vindo (a).

















































































































domingo, 27 de fevereiro de 2011

VARAL DO BRASIL


A Criança e Deus foi um dos textos escolhidos para essa coletânea em homenagem a Mulher. Consta na página 33, mas é bom ler todos os contos, crônicas e poemas, pois são belíssimos.
A escritora Norália de Mello Castro está com a poesia Talvez, na página 48, da Revista Varal.
Rita Elisa Seda
Cronista, poeta, biógrafa, fotógrafa e pesquisadora. 

2 comentários:

Anônimo disse...

Querida Rita.

Fui lá no Varal do Brasil, revista muito bem editada, e tive o imenso prazer de reler seu belíssimo texto - A criança e Deus. Texto que beira uma das mais lindas lendas que, entretanto, sabemos e sentimos não se tratar de lenda: uma verdade verdadeira.

Parabéns.
Abraços
Norália.

Rita Elisa Seda disse...

Querida amiga Norália, essa verdade cala fundo na minha alma. Acho que por ser assim, uma mensagem tão simples, atinge o coração do leitor. Creia, minha amiga, essa mensagem mexe muito comigo, convivo com ela há anos e quando penso que está esquecida, me pedem para publicá-la. Beijos, felicidades e a paz!