PALAVRAS DE SEDA

Escrever passou a ser necessidade diária, como a respiração mantém o corpo vivo, o ato de escrever mantém minha alma solta para trafegar pelo mundo dos sonhos.
Ao me deixar levar pelas palavras visualizei novo horizonte e criei asas. Voei.
Em dezoito anos escrevi dezoito livros em vários estilos: conto, crônica, poesia, romance e biografias.
Alguns de meus livros biográficos foram livremente inspirados para o cinema e TV. Ganharam prêmios.
O importante é continuar escrevendo, registrando histórias e estórias para que a memória não se perca no mundo digital.
De tanto escrever biografias (sete) resolvi deixar o registrado meu ensaio biográfico cujo viés é meu Anjo da Guarda. Pode parecer um pouco estranho, porém é bem real. Por isso, acesse também o meu blog Os Anjos não envelhecem, eu disponibilizei meu livro na íntegra, onde constam fotografias e documentos. O livro físico está esgotado.
Viaje através das palavras. Bem-vindo (a).

















































































































domingo, 23 de junho de 2013

Lançamento em Campos do Jordão do livro: NHÁ CHICA MÃE DOS POBRES



Conto com os amigos e as amigas neste evento em Campos do Jordão.
Falar a respeito da beata Francisca de Paula de Jesus é uma alegria a mais na minha vida.
Nos vemos lá!
Felicidades e a paz!
Rita Elisa Seda

Um comentário:

Chegando Perto disse...

Cara Rita, apesar de poeta eu gostei muito da obra em questão e do título. Nhá Chica realmente merece estas nas honras dos altares, pois fez o que aprendemos na catequese: Fazer o bem ao próximo sem esperar algo em troca.
Parabéns pela excelente obra e aguardo a próxima. Espero um dia partilhar contigo de minhas obras. Vou dedicar uma poesia para ti


Dama da noite



Quando chega a noite
As flores se encontram
Com a dama da noite
E termina a espera constante

Ao dançar ela enobrece
Seus caminhos brilhantes
Se encontram constantes
Com olhares cintilantes

A noite acabou
O dia clareou
A tarde chegou
A noite novamente apagou

(CUESTA, Sandro Luiz - extraído de minha futura obra Olhos nos Olhos).